Plano de Ética no Desporto na CPLP

Plano de Ética no Desporto na CPLP

 

Na VI Reunião, da conferência de Ministros foi decido reforçar os planos de Ética no Desporto no espaço da CPLP, como consta na resolução 5/2013 (Ética no Desporto na CPLP).

Na VII reunião de Ministros é aprovado o Plano de Ação do Desporto, através da resolução nº4, onde são delineados um conjunto de objetivos em relação à Ética no Desporto.

Na VIII reunião de Ministros, em 2015, em Moçambique é aprovado o relatório, e plano de ação do desporto.

 

De acordo com este enquadramento, o PNED – Portugal, e parceiros entendem oportuno propor a criação de um Plano de Ética no Desporto (PED) nos Países que compõem a CPLP. O PED será estruturado sob planos de ação, que visam desenvolver, e promover iniciativas no âmbito da ética desportiva, e educação para os valores no desporto.

Numa primeira instância junto da CPLP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) África - Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, como projeto piloto e;

Numa segunda instância, alargá-lo aos restantes países da CPLP (Timor e Brasil).

A opção destas fases tem como objetivo a otimização de recursos, atuar primeiro num continente, e posteriormente nos outros dois. Queremos que o processo se faça através da cooperação entre Portugal, os Governos dos países que integram a CPLP, a UNESCO, o ICSS, o Instituto Camões e outros parceiros.

Na criação deste plano, propomos um processo construtivo com todos os intervenientes, e parceiros, tendo por base as boas práticas de cada país, e de modo, particular a experiência do PNED em Portugal. Para que o Plano de Ética no Desporto possa ser implementado na sua plenitude nos países da CPLP, é necessário, numa primeira fase, com a necessária anuência dos diferentes países, criar Núcleos de Coordenação Nacional em cada País devendo estes ser enquadrados nas respetivas Direções-Gerais de Desporto. É importante salvaguardar que esta implementação deverá ser feita de acordo com as necessidades e recursos de cada país e tendo em conta as particularidades de cada um.

Numa segunda fase, cumprirá ao PNED Portugal, e parceiros proceder, através de equipa especializada a designar, à formação dos agentes que irão compor os Núcleos de Coordenação Nacional.

Tais agentes, devem ser habilitados a:

  • Criar o PED no seu respetivo país, que se transformará num plano específicos, tendo como boa prática os planos de desenvolvimento levados a cabo pelo PNED, planos e iniciativas de outros países, e acrescentar a eles novas e enriquecedoras iniciativas que sirvam os interesses dos seus países, em particular, e a comunidade da CPLP, em geral;
  • Procurar e estabelecer parcerias estratégicas com organizações, qualquer que seja a sua natureza jurídica, que potenciem a implementação dos planos e iniciativas PED;
  • Mobilizar a sociedade civil para o tema, pela criação de uma ampla e diversificada rede de personalidades do mundo do desporto e de outros sectores da sociedade.

Assim que terminada a segunda fase, cumprirá ao Núcleos de Coordenação Nacional formar uma rede nacional de formadores e colaboradores capazes de disseminar, por todo o país, os planos e iniciativas que emanam da estrutura nacional.

 

Fases do PED:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Etapas do PED

As primeiras 3 etapas são caracterizadas por atos de gestão administrativa, fundamentais para que se consiga criar, em parceria e coordenação as estruturas necessárias, com vista à criação dos diversos núcleos, nos respetivos países.

1-      Elaboração do projeto; contacto com parceiros (UNESCO, ICSS e outros) para viabilizar a implementação do PED na CPLP.

2-      Partindo do princípio que o PED foi aprovado na IX reunião de concelho de Ministros da Juventude e Desporto da CPLP (Cabo Verde cimeira que se realizou no Sal, Cabo Verde, Ilha do Sal, 15 a 17 Julho 2016), importa agora estabelecer um conjunto de contactos e recursos disponíveis dos diversos países facilitando a criação dos núcleos nacionais, com a indicação d

Plano de Ética no Desporto na CPLP

 

Na VI Reunião, da conferência de Ministros foi decido reforçar os planos de Ética no Desporto no espaço da CPLP, como consta na resolução 5/2013 (Ética no Desporto na CPLP).

Na VII reunião de Ministros é aprovado o Plano de Ação do Desporto, através da resolução nº4, onde são delineados um conjunto de objetivos em relação à Ética no Desporto.

Na VIII reunião de Ministros, em 2015, em Moçambique é aprovado o relatório, e plano de ação do desporto.

 

De acordo com este enquadramento, o PNED – Portugal, e parceiros entendem oportuno propor a criação de um Plano de Ética no Desporto (PED) nos Países que compõem a CPLP. O PED será estruturado sob planos de ação, que visam desenvolver, e promover iniciativas no âmbito da ética desportiva, e educação para os valores no desporto.

Numa primeira instância junto da CPLP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) África - Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, como projeto piloto e;

Numa segunda instância, alargá-lo aos restantes países da CPLP (Timor e Brasil).

A opção destas fases tem como objetivo a otimização de recursos, atuar primeiro num continente, e posteriormente nos outros dois. Queremos que o processo se faça através da cooperação entre Portugal, os Governos dos países que integram a CPLP, a UNESCO, o ICSS, o Instituto Camões e outros parceiros.

Na criação deste plano, propomos um processo construtivo com todos os intervenientes, e parceiros, tendo por base as boas práticas de cada país, e de modo, particular a experiência do PNED em Portugal. Para que o Plano de Ética no Desporto possa ser implementado na sua plenitude nos países da CPLP, é necessário, numa primeira fase, com a necessária anuência dos diferentes países, criar Núcleos de Coordenação Nacional em cada País devendo estes ser enquadrados nas respetivas Direções-Gerais de Desporto. É importante salvaguardar que esta implementação deverá ser feita de acordo com as necessidades e recursos de cada país e tendo em conta as particularidades de cada um.

Numa segunda fase, cumprirá ao PNED Portugal, e parceiros proceder, através de equipa especializada a designar, à formação dos agentes que irão compor os Núcleos de Coordenação Nacional.

Tais agentes, devem ser habilitados a:

  • Criar o PED no seu respetivo país, que se transformará num plano específicos, tendo como boa prática os planos de desenvolvimento levados a cabo pelo PNED, planos e iniciativas de outros países, e acrescentar a eles novas e enriquecedoras iniciativas que sirvam os interesses dos seus países, em particular, e a comunidade da CPLP, em geral;
  • Procurar e estabelecer parcerias estratégicas com organizações, qualquer que seja a sua natureza jurídica, que potenciem a implementação dos planos e iniciativas PED;
  • Mobilizar a sociedade civil para o tema, pela criação de uma ampla e diversificada rede de personalidades do mundo do desporto e de outros sectores da sociedade.

Assim que terminada a segunda fase, cumprirá ao Núcleos de Coordenação Nacional formar uma rede nacional de formadores e colaboradores capazes de disseminar, por todo o país, os planos e iniciativas que emanam da estrutura nacional.

 

Fases do PED:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Etapas do PED

As primeiras 3 etapas são caracterizadas por atos de gestão administrativa, fundamentais para que se consiga criar, em parceria e coordenação as estruturas necessárias, com vista à criação dos diversos núcleos, nos respetivos países.

1-      Elaboração do projeto; contacto com parceiros (UNESCO, ICSS e outros) para viabilizar a implementação do PED na CPLP.

2-      Partindo do princípio que o PED foi aprovado na IX reunião de concelho de Ministros da Juventude e Desporto da CPLP (Cabo Verde cimeira que se realizou no Sal, Cabo Verde, Ilha do Sal, 15 a 17 Julho 2016), importa agora estabelecer um conjunto de contactos e recursos disponíveis dos diversos países facilitando a criação dos núcleos nacionais, com a indicação de um ponto focal.

3-      É caracterizada pela criação dos núcleos, enquadradas nas respetivas direções gerais do desporto. Esta fase, também é marcada pela constituição e estrutura das equipas, que compõem os diversos núcleos de coordenação nacional.

4-      Esta fase é caracterizada pela realização de um levantamento das necessidades de cada país, e de boas práticas existentes a nível da ética desportiva. Neste diagnóstico devem ser consideradas as especificidades operacionais de cada país, quais os recursos disponíveis e selecionar-se as equipas que vão constituir os núcleos, tendo em conta os perfis e competências definidos pelo PED. Também devem ser considerados os fluxos de trabalho dos diversos núcleos, com o intuito de se definir o perfil dos elementos das equipas, tendo em conta as habilitações, competências e a experiência.

5-      Neste momento é dada a formação, acompanhamento e apoio aos diversos núcleos, tendo por base o programa de formação aprovado.

6-      Esta fase é desenvolvida em parceria com os diversos núcleos e a equipa técnica do PNED Portugal, realizando as primeiras formações para formadores, as quais têm por base os planos de formação para formadores do PNED. Neste formato, as formações são realizadas por ambos os intervenientes em regime de tutoria, apoio e cooperação. Na transição entre a etapa seis e sete, também se deve iniciar a constituição e adaptação de recursos pedagógicos.

7-      Esta é uma fase operacional, colocando-se em prática os diversos eixos de ação do Plano de Ética no Desporto, que em cada país ganhará as suas especificidades. É importante salientar que deve ser efetuada uma análise e avaliação, por parte dos diversos núcleos, relativamente às necessidades primárias de cada país, definindo-se prioridades estratégicas na implementação de cada plano.

 

e um ponto focal.

3-      É caracterizada pela criação dos núcleos, enquadradas nas respetivas direções gerais do desporto. Esta fase, também é marcada pela constituição e estrutura das equipas, que compõem os diversos núcleos de coordenação nacional.

4-      Esta fase é caracterizada pela realização de um levantamento das necessidades de cada país, e de boas práticas existentes a nível da ética desportiva. Neste diagnóstico devem ser consideradas as especificidades operacionais de cada país, quais os recursos disponíveis e selecionar-se as equipas que vão constituir os núcleos, tendo em conta os perfis e competências definidos pelo PED. Também devem ser considerados os fluxos de trabalho dos diversos núcleos, com o intuito de se definir o perfil dos elementos das equipas, tendo em conta as habilitações, competências e a experiência.

5-      Neste momento é dada a formação, acompanhamento e apoio aos diversos núcleos, tendo por base o programa de formação aprovado.

6-      Esta fase é desenvolvida em parceria com os diversos núcleos e a equipa técnica do PNED Portugal, realizando as primeiras formações para formadores, as quais têm por base os planos de formação para formadores do PNED. Neste formato, as formações são realizadas por ambos os intervenientes em regime de tutoria, apoio e cooperação. Na transição entre a etapa seis e sete, também se deve iniciar a constituição e adaptação de recursos pedagógicos.

7-      Esta é uma fase operacional, colocando-se em prática os diversos eixos de ação do Plano de Ética no Desporto, que em cada país ganhará as suas especificidades. É importante salientar que deve ser efetuada uma análise e avaliação, por parte dos diversos núcleos, relativamente às necessidades primárias de cada país, definindo-se prioridades estratégicas na implementação de cada plano.